Notícias

“Limites: Uma Aprendizagem Conjunta e Constante”

O bebê nasce sem conhecer seus limites.

É tarefa dos pais ou adultos responsáveis educar os filhos. Sabemos que isso não é fácil, pois envolve dizer “não” constantemente; porém, essa é uma função essencial para criar indivíduos conscientes dos seus direitos e dos outros cidadãos que participam e convivem na mesma sociedade. O objetivo do “não” é proteger e garantir o bem-estar da criança. Mesmo em meio a choros e desesperos, ela perceberá, com o tempo, que o “não” significa proteção e que quem a protege certamente a ama. Até os dois anos, a criança passa por situações em que tem de esperar pelo adulto para resolvê-las, por isso terão muitos “nãos” como respostas e precisará aprender a lidar com essas frustrações. A birra faz parte do comportamento infantil; ela acontece porque as crianças não sabem controlar suas emoções e as descarregam dessa forma. Dependendo da reação e do efeito que a birra causa no adulto, esse comportamento pode se transformar em um hábito. Esta é a hora de estabelecer limites. Como Fazer? Muita calma, paciência e persistência. Essas são regras de ouro para educar crianças. Não adianta sair gritando ou querendo dar um “corretivo” nelas.
As crianças aprendem, também, imitando o adulto; assim, as atitudes mais violentas serão imitadas mais cedo do que se imagina. A melhor atitude é abaixar- se para ficar na altura da criança, olhá-la nos olhos e dizer-lhe o porquê do “não”. E, se assim mesmo a criança continuar na birra, o que fazer? Crie alternativas, ofereça outros brinquedos ou conte-lhe uma linda história. A criança logo esquecerá a birra para entreter-se na nova brincadeira. Lembre-se: As regras estabelecidas pela família darão condições à criança de crescer com referências de normas, e princípios éticos, de compreender a diferença entre o que é bom ou ruim e de saber optar por uma delas. Outras Formas de Limites: Horários certos e uma rotina estabelecida para a criança dormir, acordar, tomar banho, alimentar-se e brincar também são formas de iniciar o aprendizado dos limites. Essas podem ser as primeiras regras familiares que a criança terá de assimilar. Assim, aos poucos, estará adaptada e poderá interpretar melhor as regras, horários e combinados. O mais importante quando o assunto é limite, é lembrar-se de que os adultos que lidam com as mesmas crianças devem usar a mesma linguagem, isto é, seguir as mesmas regras. Caso contrário, os pequenos ficarão confusos e inseguros e não saberão a quem atender, não atendendo a ninguém. (Fonte Editora Positivo)                                                                                                                                                                                            

 Coordenação Pedagógica